História

historiaA Congregação Marcelina foi fundada em Cernusco, Milão - Itália, em 1838, por Monsenhor Luis Biraghi (1801 – 1879). Biraghi era atento às questões sociais de seu tempo. Viveu em uma Itália devastada pelas guerras. Por isso acreditava que era preciso educar bem as mulheres, as grandes responsáveis pela formação das futuras gerações.

Em 23 de setembro, de 1838, ele celebrou a missa que marcaria o nascimento da Congregação, junto de Madre Marina Videmari e outras quatro colaboradoras. Biraghi elegeu Santa Marcelina como a padroeira da Congregação por ser ela a educadora de seus dois irmãos, Sátiro e Ambrósio, órfãos muito cedo. Marcelina fez deles sábios e santos e, por isso, sua obra sintetizava bem as aspirações de Biraghi para a Congregação que acabava de fundar.

A Educação Marcelina tem como propósito "renovar a sociedade à luz do Evangelho, tendo as ciências deste mundo como instrumento e meio" (Biraghi).

Para concretizar esta missão, alguns traços do carisma das marcelinas ganham maior ênfase, diante dos desafios de nosso tempo. Firmeza e suavidade: eis o binômio que orienta as ações da Congregação na formação de seus alunos. Espírito de família é mais um traço do carisma que norteia a ação educativa, resgatando e fortalecendo o seu sentido.

A pedagogia de nosso fundador pode ser definida pela busca do saber de experiência, em relações significativas e transformadoras, que construam convicções profundas, capazes de sustentar o ser e o agir.

Atualmente, a Congregação Marcelina tem representações na Itália, França, Inglaterra, Suíça, Albânia, no Brasil, México, Canadá e Benin. Além das escolas e faculdades, as Irmãs Marcelinas concretizam seu carisma em diversos setores da sociedade: hospitais, obras assistenciais e promocionais, asilos, creches, leprosário, educação popular, catequese paroquial.